ENOCK SACRAMENTO

Foi em 1990, durante o evento “Passages de l’Image”, organizado pelo crítico de cinema Raymond Bellour no Centro de Arte Contemporânea Georges Pompidou – Beauburg, em Paris, que a expressão hibridismo cultural começou a tornar-se frequente entre teóricos da arte. Ela foi proposta para caracterizar uma situação em que suportes e linguagens artísticas se misturavam para dar origem a novos produtos culturais, tornados possíveis geralmente em função de  recursos tecnológicos recentes colocados à...

Leia Mais

CAIO MARINO

“Na obra de Suzana Garcia, sua formação de engenheira se reflete na escolha dos temas, na exatidão da abordagem pictórica e na capacidade de lidar com a realidade e transformá-la em emoção. No caminho inverso, o trabalho de Suzana artista deu à Suzana engenheira o veio criativo que marca sua atuação técnica e a coragem para enfrentar grandes desafios. Engenharia e arte se fundem, em Suzana, como corpo e cérebro, como ar e luz, como forma e conteúdo. Sem que um tome o lugar do outro. Ao contrário:...

Leia Mais

VAGNER ANICETO

Criar uma obra diferenciada e bem feita é o ideal de um verdadeiro artista. Fugir dos dogmas e padrões convencionais, quebrando tabus e preconceitos não são uma tarefa fácil para uma pessoa criada num mundo mecanizado e massivo como o de hoje. Criar uma novidade, ainda que utilizando os recursos do passado, nem sempre é prontamente aceito pelo público e pela crítica. Toda essa barreira foi habilmente vencida pela obra forte e dinâmica de Suzana Garcia. Ela usa sim, os recursos modernos da informática...

Leia Mais

Oscar D’Ambrosio

Oscar D’Ambrosio, jornalista e mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da Unesp, integra a Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA- Seção Brasil): A senhora do tempo A matriz da poética de Suzana Garcia está no amor ao desenho e ao gesto. O que realmente lhe interessa é a transparência e os jogos de luz e sombra que se insinuam em suas obras, sejam elas paisagens de cidades como São Paulo e Santos, ou de pessoas célebres, como Pelé, Marilyn Monroe e o ex-presidente Juscelino...

Leia Mais

Blog “o bacamarte”

Blog “o bacamarte” (19/9/2007): Os quadros de Suzana Garcia exibem uma contradição. Em cada uma das telas, existem duas dimensões de tempo, duas imagens sobrepostas como se fossem antíteses, opostos – a artista apresenta o conflito de uma e outra. Funciona assim: há uma reprodução de algum lugar de, por exemplo, São Paulo, há cinqüenta, cem anos. Por cima do passado, colocam-se os prédios que viriam, as modificações que o tempo iria impor à cidade, em desenhos feitos como se com pressa, com a...

Leia Mais

Emanuel von Lauenstein Massarani

Emanuel von Lauenstein Massarani (Crítico de Arte) O caráter forte, afirmativo, conciso e às vezes até mesmo descritivo de suas telas, possui suas próprias raízes no amor da artista por São Paulo. As imagens comparativas de Suzana Garcia revelam geralmente uma fisionomia larga, tendendo à hipérbole, e uma enunciação plástica, marcada e contrastante. O duplo registro das imagens, bem como da luz e da sombra, é usado pela artista com destreza. Ela sente a necessidade de sublinhar, de dar à sua...

Leia Mais